Romaniacs 2019

Romaniacs 2019






Depois de 571 km espalhados por quatro Dias Off-road e um tempo total de pilotagem de 20 horas 39 minutos e 20 segundos, o jovem alemão Manuel Lettenbichler, de apenas 21 anos (Equipe Flatsching Fast Factory), alcançou sua primeira vitória na prova mais difícil do Hard Enduro Mundial.

Ele venceu a edição 16 do Red Bull Romaniacs, que recebeu o apelido de "Sweet 16", exatamente 10 anos depois que seu pai, Andreas "Letti" Lettenbichler, venceu a 6ª edição da prova. "Manny", que não é piloto oficial de fábrica, correu com uma KTM e travou uma emocionante batalha com Alfredo Gomez (ESP, Husqvarna), que terminou em segundo e Graham Jarvis (Husqvarna) em terceiro.

Devido às condições meteorológicas extremas que haviam sido previstas antes do quarto e último dia off-road, os organizadores sabiam que seria um dia difícil de enfrentar. A trilha apelidada de "Anticongelante" foi planejada para ser o trecho mais difícil na Categoria Gold. "Nossa equipe passou muitas horas preparando o trecho, bem como construindo plataformas para o programa de TV ao vivo", comentou Martin Freinademetz, organizador da prova. "Com base nas condições reais e no feedback de nossa equipe experiente de Track Managers, a decisão difícil já foi tomada ontem para cortar essa seção. No final, foi uma boa decisão para a corrida em si, porque as condições se mostraram ainda piores do que esperávamos.", concluiu um desapontado Martin.

PRÓLOGO

O Red Bull Romaniacs não é só um evento que termina com chave de ouro, ele também começa com chave de ouro. O prólogo é um show inicial, com a presença de milhares de espectadores. De acordo com os resultados das eliminatórias da Classe Gold, a primeira linha teve Billy Bolt, Pol Tarrés, Wade Young, Taddy Blazusiak e Manuel Lettenbichler alinhados. Taddy levou o holeshot, seguido por Billy e Wade. Após a primeira volta, Taddy foi também o primeiro a correr no tráfego causado pelos 35 pilotos da Classe que se classificaram para a corrida final. Entre eles estava o mineiro Rigor Rico, que havia se classificado com a 21ª posição. Ao longo de todo o prólogo, o piloto brasileiro se portou muito bem, mostrando que se preparou muito bem para a prova. Confira nesta mesma edição 158 da Pró Moto, uma matéria especial sobre o desempenho de Rigor durante a prova.

Depois que Taddy venceu o Erzbergrodeo cinco vezes seguidas, ele se especializou em SuperEnduro, onde conseguiu vencer o Campeonato Mundial 6 vezes. Essa experiência, na verdade, foi mostrada nas finais do Sweet 16 Prolog: seu ritmo era tanto consistente, rápido e controlado, e nem os outros competidores nem o tráfico representavam uma séria ameaça para o extraordinário piloto da Polônia, que venceu de ponta a ponta. Enquanto Wade Young tentava recuperar o atraso, ele cometeu um erro e ficou preso em um dos obstáculos de pedra perdendo um tempo valioso. Jonny Walker, que ainda não está totalmente recuperado de uma grave lesão no pulso em 2018, conseguiu passar pelo trânsito de forma bastante eficiente. O mesmo aconteceu com Pol Tarrés, que terminou apenas dois segundos atrás de Jonny.

Brasileiro Marco Túlio no Pódium da categoria Bronze

DIA 1

O primeiro dia nas trilhas do Red Bull Romaniacs começou às 6h45 desta manhã. A categoria Gold teve o percurso mais curto, com apenas 102 km, bastante intensos. Sabendo que o dia seguinte seria de maiores velocidades médias, Graham Jarvis usou sua experiência para ganhar tempo desde o começo da prova. O "Assassino SIlencioso" entrou em seu ritmo bastante único e passou um piloto após o outro. Evitando erros e certificando-se de não mexer com a orientação nos trilhos, Graham manteve um ritmo contínuo e venceu com grande folga.Destaque para o jovem Davide Cyprian, da República Tcheca, que venceu a Silver em 2018 e conquistou um impressionante 6º lugar, à frente de Jonny Walker (Reino Unido, KTM) e Taddy Blazusiak (POL, KTM).

Foi um dia mais fácil comparado com o Dia 1 Off-Road em 2018, o que me deixou bastante feliz. Eu realmente não perdi tempo nas seções difíceis, mas mantive um bom ritmo ao longo da corrida. Eu também não cometi erros graves. Teremos dias mais rápidos pela frente, o que não ideal para mim. Mas eu tenho que superar isso e ir a todo vapor - Graham Jarvis

DIA 2

O espanhol Alfredo Gomez foi o grande destaque do segundo dia, marcando 7 dos 10 tempos mais rápidos nos pontos de check. Ele terminou com um tempo total de pilotagem de 5 horas e 41 minutos, abrindo uma vantagem de 5 minutos e 58 segundos para Graham Jarvis. Manuel Lettenbichler ficou em terceiro. A prova teve início novamente bem cedo, às 6h30 na região conhecida como "Decebal". Aliás, aqui vai um pouco de história. Decebal foi o último rei da Dácia - uma região histórica da Romênia - famoso por lutar contra os romanos, disputando as mesmas terras por onde os pilotos deveriam lutar com suas motos contra as dificuldades do trecho. O dia teve 151 km, mais longo em toda a competição.

Largando 7 minutos atrás de Graham, o ritmo que Alfredo marcou desde o início foi acima da média. O primeiro desafio em subida foi chamado de "Espresso", literalmente um bom despertar no início da manhã, para garantir que não fossem apenas os motores que estavam acordados. Apesar de um osso fraturado em seu pé, Wade Young seguiu forte na disputa. Mas um problema de eixo do pedal de marchas em sua Sherco, fez com que ele retornasse ao local de largada para o conserto. Perdeu 30 minutos e mesmo após muito esforço para chegar ao Controle 5, acabou por abandonar a prova, com fortes dores. 

A luta continuou enquanto Mani e Graham tentavam acompanhar a velocidade geral de Alfredo, considerando o tempo real de pilotagem na maioria dos pontos de checagem - mas eles falharam. O espanhol manteve uma média de 5-6 minutos de frente aos seus concorrentes, apesar de ter um pequeno acidente perto do final. Uma forte tempestade dificultou a vida daqueles pilotos que não chegaram ao final por volta das 15:00 (hora local). Os vencedores das quatro classes não foram realmente afetados, mas muitos outros pilotos tiveram que lutar contra a água e as condições climáticas extremas para completar o dia.

DIA 3

Manuel Lettenbichler mostrou suas garras no terceiro dia. Ele fez um trabalho fenomenal nas montanhas dos Cárpatos, vencendo o dia 3. Taddy Blazusiak ficou em segundo, pouco mais de um minuto atrás de Manuel e Graham Jarvis em terceiro. 

Com base nos resultados do anterior, Manuel largou 6 minutos depois de Alfredo Gomez. Ele levou apenas 30 minutos para alcançar Alfredo e os dois passaram a maior parte do dia andando juntos. Novamente a prova teve uma boa mistura de seções mais rápidas,uphills e downhills bastante longos e técnicos. Houve uma ligação mais longa entre os Pontos de Verificação 6 e 7. Quando Alfredo e Manuel terminaram a ligação, Alfredo estabeleceu um ritmo muito rápido e Manuel não conseguiu acompanhar. Manuel já havia abandonado a esperança de pegar o espanhol, mas Alfredo não completou a última subida antes do final de sua primeira tentativa, o que deu a Manuel a oportunidade de passar por ele. O filho de Andreas Lettenbichler terminou em primeiro lugar 7 minutos e 7 segundos mais rápido que Gomez.

Taddy Blazusiak teve um bom dia, finalmente encontrando a configuração certa para a sua moto. Ele chegou com um minuto além do tempo de Manuel. Graham Jarvis aparentemente preservou um pouco de energia para o 4º dia off-road final, onde a pista deve ser a mais difícil e as condições molhadas são esperadas.

Algo interessante aconteceu na Categoria Iron. Anna Schmöltzl, da Alemanha, é a primeira mulher a vencer uma etapa de categoria em toda a história do Romaniacs. Ela conseguiu uma impressionante diferença de 16 minutos e 38 segundos para o segundo colocado, Eduardo Martinez Lopez, do México. Será que no próximo ano ela topa encarar a Bronze? 

DIA 4

O arranque off-road foi iniciado por Manuel Lettenbichler às 07:00 enquanto já estava a chover. Os pilotos tiveram que subir uns bons 10.000 metros durante todo o dia, com uma distância total de 124 km nas proximidades de Sibiu. Eles enfrentaram as seguintes seções: Ass Slide, Snooze, Momentum, Zicky Zacky Too Many, Miorita Extreme, Ford Voando, Abrace a Árvore, The Rock. Era uma mistura clássica de floresta e montaria alpina nos vales profundos ao redor de Sibiu e Paltinis.

A seção Ventilator, que também foi apresentada durante a transmissão ao vivo na Red Bull TV, deve ser mencionada. Ela está localizada na floresta e o solo está ficando muito escorregadio quando molhado. Os pilotos tiveram que fazer muito zig zag aqui tentando encontrar alguma tração em algum lugar. Manuel foi capaz de abrir uma boa vantagem em realação a Alfredo nesta seção.

Durante quase todo o dia, o que se viu foi uma batalha muito acirrada entre Alfredo e Manuel, que alternaram entre a primeira e a segunda posição no progresso geral várias vezes. Graham Jarvis estava se recuperando na primeira parte da corrida, mas teve um acidente depois do Service Point, onde perdeu seus dispositivos de GPS. Assim, o assassino silencioso teve que confiar em outros pilotos para o restante da corrida, que o impediu de atacar Manuel e Alfredo.

O que ninguém imaginaria é que o infame hillclimb - conhecido como 'Narguita' - seria o divisor de águas para a vitória em 2019. Manuel chegou primeiro mas não poderia errar, já que estava apenas 40 segundos à frente de Alfredo naquele momento. O piloto da Baviera, que foi o mais jovem finalizador do Erzbergrodeo aos 16 anos, fez sua parte. Ele dominou todos os uphills difíceis, incluindo o notório hillclimb na final em Gusterita. Depois da bandeira quadriculada, Manuel ainda estava ansioso a respeito de quando Alfredo realmente chegaria e se ele eventualmente viria rápido demais a ponto de tomar sua vitória. 

Qualquer um que fosse capaz de ver o momento em que Manuel encontrou seu pai, Andreas, na área de chegada, percebeu que era um momento muito emocionante. Um dos verdadeiros ídolos no Hard Enduro viu de perto a vitória do seu filho na mesma prova que ele ganhou, 10 anos atrás. Aliás, essa vitória significa que Manuel não é apenas o mais jovem vencedor do evento, aos 21 anos, três meses e quatro dias, superando o recorde estabelecido por Wade Young em 2018. Também marca sua primeira vitória no World Enduro Super Series (WESS). movendo-o para o topo da classificação do campeonato, à frente de Graham Jarvis e Alfredo Gomez.

Anna Schmölz manteve seu brilho na Categoria Iron e venceu a competição. Esta foi a primeira vez que uma mulher ganhou uma classe Red Bull Romaniacs. Grande respeito, pois ela tinha nada menos que 110 concorrentes - a maioria homens - para lutar na Classe Iron.

Estou na lua agora, não consigo acreditar, significa tudo para mim, ganhar o Red Bull Romaniacs. Esta corrida é realmente algo especial e ganhar aqui é incrível. O evento é tão longo e tão difícil, tudo pode acontecer. Foram incríveis cinco dias, especialmente com toda a chuva que tivemos hoje e no dia anterior. Alguns dos uphills que teriam sido complicados de qualquer maneira se tornaram quase impossíveis hoje. Um dos destaques foi passar Alfredo na última colina do Dia 3, que foi ótimo e me deu um grande impulso de confiança para o último dia. Já faz 10 anos que meu pai ganhou o Romaniacs, então é ótimo ser capaz de igualar a conquista dele, é um assunto de família agora. Os Lettenbichlers vão definitivamente comemorar esta noite!!! Manuel Lettenbichler

BRASILEIROS

O Brasil contou com 5 pilotos na prova deste ano. Rigor Rico, na Gold (confira nesta edição da Revista Pró Moto, matéria especial sobre a participação do piloto). Também estiveram presentes os seguintes pilotos: Vincenzo Barbagallo (Silver) / Rodrigo Zuccon (Bronze) / Pierluigi Clini (Iron), Poy e Marco Túlio Faria (Bronze). Marco Túlio, aliás, foi destaque durante o prólogo, ao liderar a corrida durante as primeiras voltas e conquistar um pódium no primeiro desafio do Romaniacs. Após o evento, Pró Moto conversou com cada um dos pilotos, confira a seguir o que falamos com eles. 


RIGOR RICO: "Eu me preparei muito desde o ano passado. ANo passado eu iria correr na Silver, mas como me machuquei antes da prova, acabei não indo. Já tenho 3 anos disputando o Hard Enduro e após renovar com a Beta para 2019, passei a treinar ainda mais. Me dediquei demais, parei de tomar cerveja, refrigerante, melhorei a alimentação. Passei a fazer treinamentos mais fortes. Chegava a acreditar que seria impossível existir trilhas mais difíceis do que as que eu estava treinando. Busquei aprender ao máximo as novas técnicas e novas opções de passar pelo mesmo local. Até mesmo os cursos de pilotagem que eu dou me ajudaram a melhorar a pilotagem. Uma semana antes de chegar ao evento, passei a acordar e dormir 6 horas mais cedo que o horário brasileiro. Conversei com todos os brasileiros que foram ao Romaniacs antes da prova. Fiz dois simulados completos, com 4 dias de trilha, antes de viajar para a Romênia. Mesmo sem experiência na prova, eu já viajem para a Romênia com um estudo grande por trás. 

A Beta, desde o final de 2018, já havia me ajudado a conseguir um ótimo esquema com a Beta da Romênia. No Brasil eu ando com a moto standard, mas ao chegar aqui o cara havia conseguido um modelo Racing para mim. Aquilo me animou bastante. "Este é um presente da Beta para você, pois é um piloto da Gold", me disse o representante da empresa no Romaniacs. A moto veio preparada com vários acessórios adequadíssimos para o Hard Enduro. Fiquei muito feliz com a estrutura disponibilizada. Havia 3 mecânicos para cuidar da minha moto. O tempo todo eles me diziam que minha única preocupação deveria ser andar de moto, comer e dormir. Fiz grandes amizades, os caras entendem bem do assunto. 

A moto esteve perfeita. O único item que quebrei foi um protetor de mão. Todos os dias trocava o pneu traseiro. O pneu dianteiro foi o mesmo para todos os dias. Os pneus Rinaldi se mostraram excelentes para o terreno da Romênia. As pessoas na Romênia ficaram impressionadas com o pneu, pois a marca é pouco conhecida por lá. 

Em termos psicológicos, fiz um excelente treinamento com o Grecco, meu coach pessoal. Estava certo e confiante do meu trabalho. Por isso entrei tão forte no prólogo. Ainda assim fui conservador, pois não queria machucar logo no primeiro desafio da prova. Na largada do primeiro dia de trilha eu estava bem ansioso, mas depois que a prova começou, foi pura diversão. 

Participar do Red Bull Romaniacs foi a realização de um sonho. Sempre ouvi falar que nenhum piloto brasileiro completaria um dia do Romaniacs na Gold. Foi perfeito participar daquilo tudo. Alguns trechos subi muito bem, sem qualquer ajuda. Nos primeiros dias tinha muita pirambeira. A primeira trilha me assustou demais, e pude perceber que o negócio lá é sério. No segundo dia eu caí num lugar que inicialmente eu pensei que nunca sairia de lá. Mas acalmei e devagarzinho consegui sair com a moto aos poucos. Sobraram histórias para contar pro resto da vida. Sem dúvida a experiência conta muito. No último dia eu estava super bem, e pude ver que meu treinamento foi bem realizado. Se tivesse mais um dia pela frente, meu preparo físico daria conta."


VINCENZO BARBAGALLO: "Foi show. Acertei em escolher a categoria Silver. As provas do Brasil estão com nível alto, ou seja, foi fácil andar aqui fora. Não encontrei nada muito mais difícil do que tem no Brasil. O que aperta é a quilometragem. Infelizmente levei um tombo no primeiro dia e machuquei forte o ombro. Não consegui correr o terceiro dia. Larguei para o último dia, mas acabei abandonando perto do finalzinho, já no CP 11. Se Deus Quiser em 2020 estarei de volta novamente. Vejo que o nível dos pilotos brasileiros está muito bom, graças ao nível dos campeonatos por aqui."


RODRIGO ZUCCON: "Foi minha segunda participação e já deixei minha moto pré agendada para ano que vem. É uma experiência única que dá vontade de repetir sempre. É uma prova que tem seus riscos, por isso tem que saber prezar o bom senso. Medir bem os riscos é fundamental. Para um trilheiro comum, que vem para se divertir, fica muito mais prazeroso, tendo um bom preparo físico, uma moto de qualidade boa, em órdem. Esta região aqui é fantástica, subindo e descendo montanhas o dia inteiro. Achei a prova deste ano mais fácil que a do ano passado, com exceção do último dia, por conta da chuva durante a prova. Houve muita desistência entre os pilotos da Iron e da Bronze. Valeu pela experiência. Enquanto Deus me proporcionar saúde e condições, pretendo retornar aqui neste evento."

Giancarlo 'Poy' Clini e Rodrigo Zuccon

Giancarlo 'Poy' Clini e Rodrigo Zuccon


POY: "A gente gosta de andar de moto. É a nossa válvula de escape do dia a dia. O meu objetivo é fazer uma corrida por ano, fora do Brasil. Este local aqui é único. O legal do Romaniacs é que todo mundo pode fazer. A corrida na Iron é super tranquilo, desde que tenha bom preparo físico e um bom domínio da moto. Veja que dos 108 pilotos da Iron, apenas 34 fizeram todos os dias. A cabeça precisa estar preparada. É uma corrida super bem montada, com percursos diferentes o tempo todo. O que tem em comum todos os dias: ou você sobe, ou você desce... É montanha o tempo todo. Chega a variar 5 mil metros de altitude ao longo de um único dia. Eu faria a prova de novo, na categoria Iron, pois não tive qualquer sofrimento na prova. Cheguei a ficar em 15º lugar na prova. Tal como acontece no Enduro da Independência, cheguei num atoleiro e fiquei parado por um longo tempo. A quem deseja fazer a prova, recomendo que faça a inscrição o mais rapido possível, para garantir a vaga no hotel, pois tudo acontece ali no mesmo lugar. Enfim, o preparo físico é fundamental, pois são no mínimo 6 horas por dia de competição, durante 4 dias."


MARCO TÚLIO: "Para mim era um sonho, participar desta prova. Tenho participado há 4 anos das provas de Hard Enduro no Brasil, justamente por desafiar nossos próprios limites. Há 6 meses resolvi participar do Romaniacs. Passei a treinar funcional todos os dias da semana, com moto no final de semana e de uma a duas vezes no meio da semana. Fiz uma pistinha para treinar para o prólogo. Tive surpresa ao ver a alta velocidade que o pessoal acelera nas trilhas mais rápidas. A maioria dos pilotos aqui anda muito bem nas trilhas rápidas. Minha maior dificuldade foram justamente as trilhas mais rápidas, que não são o meu estilo. No prólogo eu fui muito bem, liderando a prova até a última volta. No primeiro dia de trilhas eu não me acertei com a moto e acabei perdendo muitas posições. Usei um mousse muito duro, que me atrapalhou bastante. Para o segundo dia usei um mousse super soft e o meu resultado já foi bem melhor. Tive um acidente no dia 2, quando escorreguei com a moto e bati o queixo numa pedra. Fui até o final da prova e quando cheguei ao final o médico me deu 7 pontos. Acabei finalizando a prova num surpreendente 9º lugar. Objetivo realizado, que era completar a prova.

Os horários são complicados, pois o briefing começa 9 da noite e termina as 10. Vamos dormir a meia noite. Acorda-se as 4 horas da manhã, enfim, é puxado. A principal dica é pagar sua inscrição logo no primeiro dia, para conseguir vaga no hotel. Eu demorei a fazer inscrição e isso deixou minha logística muito complicada. Fiquei num hotel muito longe, tinha que pegar táxi. Teve taxista que negou me levar por erstar sujo de barro. Não vale a pena esperar dois dias para pagar a inscrição, pois as vagas do hotel principal se esgotam no primeiro dia."


 

RESULTADOS FINAIS

10 Melhores Resultados - Gold 

1. Manuel Lettenbichler (DEU, Time de Fábrica Flatschingfast): 20 horas 39 minutos e 51 segundos
2. Alfredo Gomez Cantero (ESP, Corrida de Fábrica da Rockstar Energy Husqvarna): 20 horas 42 minutos e 15 segundos (+ 2m 24s)
3. Graham Jarvis (GBR Rockstar Energia Husqvarna Factory Racing): 20h 52m 12s (+ 12m 21s)
4. Taddy Blazusiak (POL, Corrida de Fábrica Red Bull KTM): 21h 25m 36s (+ 45m 45s)
5. Jonny Walker (GBR, Corrida de Fábrica Red Bull KTM): 21h 30m 40s (+ 50m 49s)
6. Billy Bolt (Reino Unido, Rockstar Energy Husqvarna Factory Racing): 23h 16m 34s (+ 2h 36m 43s)
7. Mario Roman (ESP, Time de Corrida da Fábrica Sherco): 23h 36m 25s (2h 56m 34s)
8. David Cipriano (CZ, JD Gunnex KTM): 23h 42m30s (+ 4h 2m 39s)
9. Pol Tarrés (ESP, TTR Officine Rigamonti Husqvarna): 25h 8m 26s (4h + 28m 35s)
10. Josep Garcia Montana (ESP, Corrida de Fábrica Red Bull KTM): 25h 8m 26s (+ 4h 28m 35s)

22. Rigor Rico (BRA, Beta Brasil, 3R) (+14h 56m 30s)

 

Top 3 Resultados - Silver 
1. Josu Artola (ESP): 18h 57m 20s
2. Sam Winterburn (GBR): 19h 39m 55s (+ 42m 35s)
3. Alberto Aramburu (ESP): 20h 18m 14s (+ 1h 20m 54s)

71. Vincenzo Barbagallo (BRA, Tranqueiras Racing) (+34h 55m 58s)

 

Top 3 Resultados - Bronze
1. Marcin Weglarz (POL): 17h 43m 32s
2. Eric Slominski (EUA): 17h 53m 43s (+ 10m 11s)
3. Jean-Michel Vigand (ROU): 18h 3m 4s (+ 19m 32s)

9. Marco Túlio Faria (BRA, Faria Máquinas, BMS Racing) (+1h 19m 10s)

80. Rodrigo Zuccon (BRA, Jarva Racing, Mitas) (+24h 2m 41s)

 

Top 3 Resultados - Iron 
1. Anna Schmölzl (GER) 16h 9m 43s
2. Danny Melvin (EUA) 16h 31m 13s (+ 21m 30s)
3. Eduardo Martinez Lopez (MEX) 16h 35m 17s (+ 25m 34s)

23. Pierluiggi Clini (BRA, Hard Team Brasil) (+4h 23m 40s)

 

VÍDEOS DA PROVA