Lucioli apresenta primeira mousse com dupla calibração

Fabricante mineira pretende revolucionar mercado mundial de câmaras de ar rígidas.

Lucioli apresenta primeira mousse com dupla calibração






Empresa com sede em Belo Horizonte/MG, a Lucioli anunciou nesta sexta-feira, com exclusividade para a Pró Moto, que está em fase final de produção de uma câmara estilo mousse que deve impactar o motociclismo off-road brasileiro e mundial. 

A Mucioli é uma Mousse (câmara rígida, ou seja, não se calibra com injeção ou subtração de ar) que possui diversos orifícios ao longo de sua extensão. Por conta do formato destes orifícios, a Mucioli pode oferecer duas "calibragens" diferentes ao usuário. Isto vai depender do sentido em que ela for montada na roda. 

Em um dos sentidos, ela oferece rigidez MÉDIA, e no sentido inverso, a rigidez é definida pelo fabricante como MACIA. Até hoje, a nível mundial, a única forma de se alterar a rigidez original de uma câmara rígida é a utilização de furadeiras para realizá-los manualmente. 

ECOLÓGICA

Além desta característica acima, desenvolvida pela Lucioli ao longos dos anos recentes, outra questão vai chamar a atenção dos usuários. A Mucioli é um produto ecológico, pois se decompõe quando descartado na natuereza e é 100% reciclável. Quem garante é Hélio Lucioli, obstinado empresário mineiro que comanda a fábrica, com uma paixão típica dos grandes empreendedores. 

A Lucioli tem conquistado espaço além do Brasil. Há importadores para Portugal, Espanha, Inglaterra e Itália, com grande aceitação por parte dos clientes europeus. 

QUANDO, QUANTO?

A Mucioli estará disponível aos clientes já no início de Março. "Sabemos que neste primeiro momento a procura será maior do que nossa capacidade de produção, mas quem se apressar vai conseguir garantir sua Mucioli, sem problemas."

O produto estará disponível nas medidas:

  • 110/90-18
  • 120/100-18
  • 120/90-18
  • 140/80-18

O preço está definido mas ainda não foi divulgado. O fabricante nos garantiu que o valor será surpreendente a favor dos clientes, que ao longo dos últimos anos se viram obrigados a pagar verdadeiras fortunas pelas mousses importadas da Europa.