Laquila acredita na estabilização do setor

Empresa projeta ano positivo para o segmento, motivado pela grande circulação de motocicletas no país

Laquila acredita na estabilização do setor
Foto: Laquila Divulgação






O último ano foi de incertezas e oscilações para todos os segmentos da economia em função da inconstância e fragilidade gerada no mercado pela pandemia global da COVID-19. Embora o vírus ainda não esteja controlado e as consequências da sua propagação sigam assombrando empreendedores e varejistas em todo o mundo, estima-se que os próximos meses serão de recuperação e minimização de prejuízos em grande parte das indústrias e comércios. Neste contexto, um dos segmentos com projeções mais otimistas é o de motopeças, ainda apoiado no aumento no número de motociclistas circulando nas ruas ocasionado pela pandemia.

“Em 2020, as motocicletas foram as grandes protagonistas nos momentos mais instáveis da pandemia, seja como instrumento de trabalho para entregadores, ou meio de transporte livre de aglomerações, elas foram responsáveis por manter o mercado ativo e nós acabamos nos tornando um serviço essencial para estas pessoas”, afirma a gerente de suporte comercial da Laquila, empresa do mercado de motopeças, Iael Trosman

Mesmo com a instabilidade econômica, a empresa registrou um crescimento de 10% e uma alta no giro de peças de motor para motocicletas. Além disso, na contramão do mercado, se antecipou ao abastecer seus estoques antes da virada do ano, não sofrendo com o desabastecimento enfrentado por empresas dos mais variados segmentos no Brasil. “Foi um ano de muita volubilidade, com meses de cenários positivos e meses de baixa no faturamento, mas o fato das motos terem ganhado espaço como uma opção para gerar renda extra colaborou para o equilíbrio no nosso segmento”, acrescenta Trosman.

Com a necessidade de distanciamento social, os serviços de entrega em domicílio ganharam muitos novos adeptos no ano que passou, registrando aumentos significativos no fluxo de pedidos e no número de novos estabelecimentos e entregadores cadastrados. Além disso, muitos tornaram a moto seu principal meio de transporte por fatores econômicos ou de segurança, projetando um crescimento no mercado de motopeças maior até mesmo que o das próprias montadoras. 

“Muitos dos profissionais que passaram a trabalhar para os apps de delivery optaram por adquirir uma moto nova, mas há uma grande parcela que investiu em peças para potencializar sua moto de lazer ou fora de uso e transformá-la em instrumento de trabalho. Da mesma forma os que já trabalhavam nessa função e os que compraram novas motos também buscaram nossos serviços pois a alta demanda gerou uma necessidade mais constante de manutenção”, explica Iael

A Laquila registrou o maior aumento logo depois do primeiro grande pico de isolamento social com uma grande saída de itens de preservação de motor como kit cilindros, pistões, anéis, bielas, válvulas e kits de transmissão. “Com isso apostamos no reforço do estoque de importação, o que acabou sendo uma decisão muito acertada e quem servindo como um mote para nossas projeções futuras, principalmente para este início de 2021”, projeta a gerente da Laquila.

Os novos hábitos de serviços via delivery e a absorção da motocicleta como mecanismo individual de mobilidade ocasionados pela pandemia não frearam o setor e devem seguir refletindo em 2021. “Após a grande indefinição do começo da pandemia, nós chegamos a um efeito rebote, no qual a demanda de motopeças aumentou significativamente de uma hora para outra, nos permitindo projetar um aumento nas vendas, mesmo sem estatísticas concretas”, completa Iael. 

 

Crédito: Caroline Rodrigues - P+G Comunicação Integrada