Henicka, a nova promessa da Honda

O gaúcho de apenas 16 anos correrá na classe MX2 do Campeonato Brasileiro de Motocross 2021

Henicka, a nova promessa da Honda
Foto: Idário Café - Mundo Press






Recentemente a Honda divulgou as equipes que representarão o time vermelho nas competições oficiais do motociclismo durante a temporada 2021. Entre os anúncios para o on e off-road, o gaúcho Henrique Henicka, de apenas 16 anos, foi a grande revelação da marca. Ele correrá na classe MX2 do Campeonato Brasileiro de Motocross, que tem início previsto para agosto deste ano.

Escolhido através do HTT (Honda Talent Test), Henicka é o quarto a compor o time Honda Racing na modalidade, ao lado de Leonardo Souza (MX2), Hector Assunção (MX1) e Jetro Salazar (MX1). Para chegar até lá, o gaúcho passou por uma bateria de testes e disputou a vaga com outros quatro nomes. “Ele se destacou muito no quesito ‘técnica’, você vai ver no jeito dele andar”, comentou o chefe da equipe Cale Neto em entrevista dada ao ex-piloto Leandro Silva.

Apesar de novo, Henicka corre há oito anos e tem no currículo a mesma quantidade de títulos, sendo um deles brasileiro. Agora ele estará nas pistas como piloto profissional defendendo o time que sempre almejou. “Nossa, vestir a camisa vermelha escrito Honda é muito massa, pode ter certeza que é uma sensação maravilhosa. Mas claro, com isso vem as responsabilidades”.

Por se tratar do maior campeonato de motocross da América Latina, Henicka tem ciência das expectativas e acredita que consegue correspondê-las. “Sei que no time Honda conseguirei ir muito mais longe. A ideia é ser campeão brasileiro e levar a vermelhinha pro topo do pódio”, fala. “Todas as vezes que subi de categoria acabei me destacando, então acredito que posso repetir isso neste ano”, completa.

O lajeadense, filho dos empresários Paulo e Adriana, saíra do interior do Rio Grande do Sul e em breve se juntará aos colegas no Centro de Treinamento da Honda.

 

Seleção HTT

Há quatro anos o Honda Talent Test revela nomes para o motociclismo on e off-road. O objetivo da marca é investir na base do esporte e garimpar novos pilotos para as equipes da Honda Racing e para os times satélites da marca em diferentes modalidades. Os candidatos se concentram no CT para uma bateria completa de testes, tanto físicos quanto práticos com a moto.

Uma comissão formada por chefe de equipe, instrutores, pilotos oficiais e representantes da Honda Racing são responsáveis por avaliar e eleger os novos integrantes do time. Comissão esta que escolheu Henrique Henicka para adentrar ao time em 2021, que disputou a vaga com outros quatro nomes fortes da base. “Nós esperávamos uma diferença maior de atleta para atleta, mas no final eles ficaram muito próximos”, fala Cale. “De todos os HTT’s com certeza este foi o mais difícil”, completa Ricardo Franzini, treinador oficial.

De acordo com eles, são avaliadas as condições físicas fora e em cima das motos, velocidade, técnica, constância, entre outros. “Estávamos um melhor que o outro, acho que foi uma decisão difícil para eles. Mas a decisão foi tomada, afinal, você precisa saber andar de moto. Cada um que esteve lá teve uma chance única”, finaliza Henicka.

 

Crédito: Confederação Brasileira Motociclismo (CBM)