Yamaha Racing Brasil adere à campanha Outubro Rosa

Campanha visa conscientizar sobre o câncer de mama

Yamaha Racing Brasil adere à campanha Outubro Rosa
Danyllo Proto






A Yamaha Racing Brasil adere à campanha Outubro Rosa para ajudar a conscientizar a comunidade das competições de esportes sobre duas rodas sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e de colo do útero.

A primeira demonstração de apoio à campanha aconteceu no sábado, 5, quando os pilotos Paulo Alberto e Fabio Santos participaram do Arena Cross Brasil com suas roupas na cor rosa, chamando a atenção do público que assistiu ao vivo ao evento.

Diversas fotos rapidamente se espalharam pelas redes sociais mostrando os atletas da equipe Yamaha Monster Energy Geração com seu uniforme de competição, confeccionado pela IMS Race Wear, na cor pink.

"É importante lembrarmos às pessoas sobre este assunto, sobre a importância de fazerem o autoexame, de se cuidarem. O esporte é uma maneira fácil de chamar a atenção do público, e eu gosto muito de estar envolvido neste tipo de ação. Além disso, gostei muito da roupa que a IMS fez", comenta Paulo Alberto, líder do Arena Cross Brasil (veja abaixo os resultados da rodada e a classificação do campeonato).

O time inteiro da Yamaha Monster Energy Geração estará vestido de rosa na final do Brasileiro de Motocross 2019, que acontecerá nos dias 26 e 27 de outubro, no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Minas Gerais.

 

Mais sobre o câncer de mama

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de mama é segundo tipo que mais acomete brasileiras. Os principais sinais e sintomas da doença são caroço (geralmente fixo e indolor), pele da mama avermelhada ou parecida com casca de laranja, alterações no bico do peito (mamilo) e saída espontânea de líquido de um dos mamilos. Também podem aparecer pequenos nódulos no pescoço ou na região embaixo dos braços (axilas).

Vale lembrar que a prática de atividade física e de alimentação saudável, com manutenção do peso corporal adequado, estão associadas a menor risco de desenvolver câncer de mama: cerca de 30% dos casos podem ser evitados quando são adotados esses hábitos. A amamentação também é considerada um fator protetor.

Além de estarem atentas ao próprio corpo, mulheres de 50 a 69 anos devem fazer mamografia de rastreamento a cada dois anos.

Participe você também! Incentive as mulheres da sua vida a realizarem o autoexame e a procurarem um especialista.